domingo, 19 de agosto de 2012


Evangelho em falta para Evangélicos

         Texto Base – II Tm 2:1-4 – “1 Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus. 2 E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros. 3 Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo. 4 Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra.”
INTRODUÇÃO:                      

O que está acontecendo ao povo de Deus nos últimos dias?
Pergunta difícil de ser respondida, se partirmos do principio da acomodação ou da omissão conivente. Ao analisar o momento por que passa a igreja, vemos com tristeza as inúmeras faces de um evangelho deturpado e totalmente desfigurado, sem contemplar o objetivo a que se propunha, quando o Senhor Jesus comissionou seus discípulos e estes aos seguidores do cristianismo.
O povo de Deus nos últimos dias, tem sido alvo dos mais ridículos ensinamentos, ministrado por “Apóstolos, bispos, pastores, reverendos, mestres etc…,” que sem o menor constrangimento, afirmam ser a verdade interpretada das escrituras sagradas, deixando transparecer um evangelho medíocre, conveniente e o pior de tudo herético e sem base bíblica, pois não está nem de longe, representando a vontade de Deus.
Não bastasse a luta constante para desarticular as forças maléficas do inimigo, o povo evangélico esta disputando entre si quem é que mais comete estupidez e insanidades com o intuito claro de obter para si a glória de Deus.
II Tm 2: 1 “Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus.”  -
Não é difícil de assistirmos verdadeiras aberrações no que concerne ao mandamento inserido no versículo acima. O povo, longe do conhecimento da graça salvadora, se esmera em atender a apelos humanos e corre atrás de sincretismos, animismos e praticas pouco ortodoxas, como “vale do sal, banhos, fitas, mantos sagrados, óleo ungido em Israel, como se o Deus que está na terra santa, não fosse o mesmo que está por aqui. Agarrados a promessas de prosperidade terrena, esquecem do mais importante, a Salvação da alma e o Reino de Deus.
A Palavra de Deus tem sido confrontada, deturpada, enlameada e deixada de lado. Pastores e lideres se apropriam de versículos isolados para de alguma forma engodar fieis incautos e com isso arrancar o mais precioso de suas vidas, a consciência pura, trocada por sofismas e promessas puramente humanas.
O dizimo virou moeda de troca. Objeto de terror e intimidação. Certa vez recebi conselhos de um pastor amigo, Pr. Eduardo Arraes. Dizia o honrado pastor que “não precisamos estar massificando em pregações a respeito de dízimos e ofertas. Uma igreja avivada e alicerçada na palavra de Deus, por si só desenvolve o sentimento de obrigação e crescimento espiritual, aliada a reverencia e ao temor a Deus.” O crente oferta por amor a obra e dizima pelo respeito as coisas de Deus, pois dizimar é questão de caráter.
Veja o que o profeta Jeremias vaticina e suas lamentações: Estendeu o adversário a sua mão a todas as coisas preciosas dela; pois ela viu entrar no seu santuário as nações, acerca das quais ordenaste que não entrassem na tua congregação.” Lm 1:10.
Estão trocando o evangelho da salvação pelo o evangelho da mistificação. Abandonando a graça salvadora, pelo simbolismo místico em detrimento do conhecimento de Deus que é bendito eternamente, amem!
II T 2:2 “E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros.”
O que certamente é um dos mais expressivo e importante acontecimento na vida do ser humano, a sua conversão, ela torna-se armadilha para uma caminhada infrutífera, tendo em vista aos exemplos pouco recomendáveis de uma gama de lideres sem compromisso com a palavra, mas perfeitamente identificados com as suas aspirações de poder e de vanglória, caracterizados pelas inúmeras promessas de vida boa e conforto material, coisa que Jesus não prometeu. Jo 16:33 “Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”
O mandamento é claro quando diz “confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos…” até parece paradoxal. Onde encontrar, onde confiar, onde… onde? O Pior de tudo é que não há como se espelhar em exemplos testemunhais de altruísmo e abnegação. Tudo o que vemos é disputa de poder, facções, divisões, sem contar com práticas criminosas de enriquecimento ilícito, evasão de divisas e demonstração descabida de ostentação e práticas de pouco caso com o ser humano, vitima maior de todo esse celeuma. Se está difícil encontrar o exemplo testemunhal de fidelidade e idoneidade, o que dizer do “…ensinarem aos outros”. O Senhor Jesus nos comissiona em Mt 28:19 “Portanto, ide, ensinai…”. Aprender com o obvio é importante, mas aprender com o exemplo é muito mais proveitoso.
Para ensinar é preciso aprender, para ministrar a Palavra é preciso conhecer, para dar exemplo é preciso ser exemplo. Mas não é o que testemunhamos. Noticias são veiculadas na mídia sobre escândalos envolvendo lideres expressivos do meio evangélico. Disputas facciosas, interesses puramente pessoais são o que permeiam as eleições das entidades eclesiais. Não é difícil de presenciar, apóstolos, bispos, pastores e lideres, degladiando-se e falando horrores de denominações, que mais parece que estamos vivenciando o mundo secular no meio do povo de Deus.   
II Tm 2:3 “Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo.”
Na atual conjuntura por que passa a igreja, o desconhecimento bíblico é mastodôntico. Sofrimento é sinônimo de pecado, prosperidade é sinônimo de reivindicação justa e merecedora, como se Deus tivesse por obrigação conceder bênçãos ao ser humano, tendo em vista ter sido Ele o culpado por nossa criação. Há uma afirmação no meio evangélico que Deus é dono do ouro e da prata, e por sermos co-herdeiros em Cristo, temos direito sobre essa fortuna. Quanta ignorância. Nós sem Deus não somos nada, Deus sem nós continuará sendo Deus todo poderoso.
Sofrer por Jesus, como bom soldado, deveria ser um mérito imensurável, sem precedentes. Mas não é o que se prega por ai. O pecado anda junto com o sofrimento e em certas ocasiões fieis foram excluídos de suas denominações por que não se deram ao luxo de prosperar. Veja onde chegamos. Jesus sofreu as piores humilhações, dores e toda sorte de tortura em favor de um povo que hoje se nega a seguir os seus preceitos, mesmo de posse do manual maior, a Palavra de Deus.
Sofrer como bom soldado de Cristo deveria ser motivo de jubilo no meio do povo de Deus. Que saudade sentimos de quando era necessário nos escondermos de pedradas atiradas por pessoas que se incomodavam quando os crentes se reunião em uma praça ou esquina para pregar a palavra. Hoje a simplicidade da pregação, deu lugar a megas-show, abrilhantados por cantores gospel e que se tornaram ídolos ao invés de mensageiros. Estão mercadejando o mais sagrado de todos os símbolos sagrados e que vai subir para o céu da Gloria do senhor, o Louvor. Ritmos mundanos versados em letras que falam de Jesus, mas não tem nada a ver com Jesus, tomaram conta do meio evangélico em detrimento do verdadeiro louvor contido na Harpa Cristã.
II Tm 2:4 “4 Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra.”
         Quando Servia a Deus na Assembléia de Deus, Campo de Ananindeu, hoje Continuo na Assembléia de Deus só que Missões Pentecostais, ouvi uma das mais imbecis insinuações proferida por um líder de outro campo. “Esse campo parou no tempo, prende-se a rudimentos antiquados como usos e costumes, doutrina rígida, é por isso que vocês não crescem, estão vivendo na idade da pedra, são como dinossauros”. Em um momento de inspiração divina, respondi ao irmão, “É muito melhor entrar no Céu como um dinossauro, do que ser moderninho é ir morar no inferno”. Se você serve a Deus e milita verdadeiramente em suas fileiras como bom soldado, não precisa se envolver com as coisas da civilidade. Nós temos que agradar aquele que nos chamou para a guerra e que certamente se responsabiliza pelo nosso destino.
         A preocupação com a sã doutrina, deveria ser o objetivo maior de qualquer liderança, independentemente da denominação a que pertença. A Palavra de Deus é uma só, imutável e sem sombra de variação. Ml 3:6 “Pois eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.”
CONCLUSÃO:
Irmãos em Cristo. Não quero com esse estudo, provocar a ira de ninguém, muito menos diminuir a ou b, quero manifestar minha profunda preocupação com os últimos acontecimentos envolvendo o povo de Deus. Continuo firme na minha convicção de que só Jesus salva, cura, transforma e batiza no Espírito Santo. Continuo crendo que só a oração move os braços de Deus em favor do seu povo. Continuo crendo que só um povo unido e forte vencerá as astutas artimanhas do inimigo. É certo que para isso precisamos nos apegar ainda mais no que preceitua a Palavra de Deus, Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.  
Sabemos também que a destruição de um povo ou do ser humano esta na falta de conhecimento e na incredulidade a um Deus longânimo, amoroso e misericordioso que insiste em amar um povo que lhe vira as costas.“O meu povo foi destruído porque lhe faltou o conhecimento;” Os 4:6ª.
         Nunca foi tão grande a sede de Deus nos últimos dias, nunca foi tão notório o mover espiritual no meio do povo de Deus. Nunca houve tantas decisões em favor de Cristo do que nos últimos dias. As profecias tem se cumprido cabalmente, aproxima-se rapidamente o dia em que Deus dará uma resposta definitiva as ações pecaminosas e destrutivas do maligno. Precisamos estar atentos, vigilantes, sóbrios, amando-nos uns aos outros, pois só o amor neutraliza os tentáculos do mal. Não paguemos o mal por mal, oremos uns pelos outros, disponibilizemos nossos ombros em amor uns para com os outros e se possível, tenhamos paz uns com os outros. O Escritor aos Hebreus nos ensina como desfrutarmos da presença de Deus, mesmo vivendo em um mundo conturbado e cheio de imperfeições: Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor,” Hb 12:14
Que Deus nos abençoe em Cristo Jesus Nosso SENHOR
Por: Rev. Augusto César Campos Mendes

SITUAÇÃO DAS IGREJAS NOS DIAS DE HOJE ÚLTIMOS TEMPOS - PRINCÍPIO DAS DORES ​ ​ ​Irmãos, não há como fugir da situação ou fingir que na...