segunda-feira, 21 de maio de 2012


Jesus Cristo Não Era Falho?

Jesus de Nazaré era um ser humano. Desde que os seres humanos têm conhecimento limitado, isto não significa que Jesus era também limitado? Não devemos descartar Suas declarações como sendo condicionadas pela sua própria época? Ele disse coisas magníficas; mas, por que deveríamos aceitar sua palavra, vendo que era humano?
Perguntas como essas muitas vezes surgem quando falamos sobre a pessoa de Jesus Cristo. As pessoas apontam para as declarações de Jesus, a fim de mostrar que Ele ignorava certas coisas.
Quando foi perguntado a Jesus sobre a data de sua volta, Ele respondeu: "Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão somente o Pai" (Marcos 13.32).
Certa vez, quando cercado por uma multidão, alguém tocou Jesus. Ele voltou-se para a multidão depois disso e perguntou: "Quem me tocou nas vestes?"(Marcos 5.30), revelando assim uma suposta ignorância. Além disso, Ele fazia perguntas às pessoas "Qual é o teu nome?"(Marcos 5.9). "Quantos pães tendes?" (Marcos 6.38).
Essas passagens revelam que Jesus não sabia certas coisas, dizem os céticos. Por que acreditar, então, em qualquer uma de suas declarações?
Mas à pergunta acima "Jesus Cristo Não Era Falho?", o Novo Testamento responde com um sonoro NÃO!
É preciso lembrar que Jesus possuía duas naturezas, uma humana e outra divina. Como homem, havia coisas que Ele ignorava. Mas, como Deus, possuía todo conhecimento.
Jesus não foi alguém que se esforçou para elevar-se à posição de Deus. Pelo contrário, Ele era Deus condescendendo em rebaixar-se até a humanidade. Filipenses 2.5-11 declara que, como Deus, Jesus decidiu desistir do exercício independente de certos atributos que eram seus por direito. Como homem, confiava totalmente em Deus Pai e viveu uma vida perfeita, irrepreensível.
Embora continuasse sendo Deus aqui na terra, pôs de lado voluntariamente certos direitos que possuía. Não há qualquer indício de que suas declarações - quer teológicas, históricas, ou de outra natureza - fossem, de algum modo, falíveis.
Jesus sempre falou a verdade. Quando disse que não sabia algo, deixou que percebêssemos isso. Desde que Ele nos informou quando não sabia algo, podemos naturalmente supor que declarou isso porque tinha real conhecimento dessa realidade. O fato de Jesus ter admitido que não sabia certas coisas, deixa-nos ainda mais seguros em relação às declarações que fez sem qualificá-las.
Devemos nos lembrar também de que algumas das perguntas de Jesus como em João 6.5 e Marcos 6.38, não visavam que Ele mesmo obtivesse informação, como se não soubesse a resposta, mas visavam provocar os ouvintes a darem sua própria resposta, desde que esta cooperasse para o bem deles.
Isto se assemelha, em geral, às perguntas de Deus no Antigo Testamento (como em Gênesis capítulo 3): "Onde estás?" etc. Tais perguntas não foram feitas para informação dEle, mas por causa das pessoas envolvidas, que poderiam ser de algum modo ajudadas; ou, eram simplesmente retóricas. Ademais, como ser humano, Jesus possuía conhecimento que superava o normal. Ele viu Natanael debaixo da figueira, embora não estivesse a uma distância visível (João 1.48). Surpreendeu a mulher samaritana, revelando uma informação sobre a vida particular dela (João 4.18-19).
Jesus sabia antecipadamente quem iria traí-lo (João 6.64). Já tinha conhecimento da morte de Lázaro antes que lhe dissessem (João 11.14), e da sua crucificação e ressurreição antes de elas ocorrerem (Marcos 8.31; 9.31). Jesus demonstrou um conhecimento sobrenatural da localização dos peixes no mar (Lucas 5.4).
Não existe indicação nenhuma no registro do evangelho de que a finitude de Jesus prejudicasse seu ministério ou ensino. Quaisquer que fossem as limitações de seu conhecimento, este era vastamente superior ao dos homens normais e completamente adequado para a sua missão e ensino doutrinário.

A Bíblia esclarece também que Jesus é a autoridade final em todos os assuntos de que tratou. Os indivíduos serão julgados com base naquilo que fizerem com as palavras desse Jesus.
Ele disse: "Quem me rejeita e não recebe as minhas palavras tem quem o julgue, a própria palavra que tenho proferido, essa o julgará no último dia" (João 12.48).
A palavra de Jesus é um alicerce firme. Nossas vidas precisam apoiar-se nela. "Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica, será comparado a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha" (Mateus 7.24).

Suas palavras são eternas: "Passará o céu e a terra, porém as minha palavras não passarão" (Mateus 24.35).
Mesmo com essas poucas declarações, fica claro que qualquer limitação humana a que Jesus estivesse sujeito não se refletia em suas declarações teológicas e ensinamentos. Não se pode usar isto como uma desculpa viável para rejeitar a finalidade das afirmações de Jesus. Ele demonstrou o fato de possuir autoridade para reivindicar infabilidade ao voltar dentre os mortos no terceiro dia.

Embora Jesus fosse verdadeiramente Deus, Ele também era verdadeiramente homem. Poderíamos ainda dizer que Ele era tão humano como se jamais fosse Deus, e era tão divino como se jamais fosse homem.
Jesus foi o Deus-homem.
Agora, fica a cargo de cada indivíduo decidir se vai construir sua casa sobre a rocha ou sobre a areia.

SITUAÇÃO DAS IGREJAS NOS DIAS DE HOJE ÚLTIMOS TEMPOS - PRINCÍPIO DAS DORES ​ ​ ​Irmãos, não há como fugir da situação ou fingir que na...