terça-feira, 14 de novembro de 2017

SITUAÇÃO DAS IGREJAS NOS DIAS DE HOJE
ÚLTIMOS TEMPOS - PRINCÍPIO DAS DORES





​Irmãos, não há como fugir da situação ou fingir que nada está acontecendo. Sim, a profecia está se cumprindo uma a uma. 

Não podemos fechar os olhos para o que está acontecendo. Pouco notamos o verdadeiro arrependimento e conversão a Deus acontecendo, poucos oram e buscam a Deus verdadeiramente. O verdadeiro Evangelho poucos são os que Pregam. 

O tempo do fim se aproxima, e para muitos, os assuntos como futebol, novelas, notíciários, afazeres diários, planos para o futuro, por exemplo, estão mais interessantes que a Palavra de Deus.

Nunca houve tantos torcedores de determinados times indo á loucura por jogos e campeonatos. Entretenimento de todas as formas que nos afastam lentamente do nosso tempo precioso com Deus.

A fé foi banalizada e transformada numa filosofia vazia. Em muitos lugares, Igreja perdeu a sua alma. 


"Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá." 
Efésios 5:14



Viver em santidade ficou no passado ou é coisa de “crente fanático”. Satanás sabe que somente com o encontro REAL com Deus, os olhos de pessoas são abertos, haverá arrependimento pelos pecados da qual mudará radicalmente suas vidas, por isso, ele quer afastar a cada dia mais a Verdade da Igreja de Cristo. Sim, estou escrevendo para pessoas que conhecem a Deus e Sua Verdadeira Palavra, ou já conheceram um dia.   

                                               
                                            
                                                             Adoração A Deus ou Show Gospel? 

Templos com verdadeiro culto a Deus sendo raridade. Igrejas de hoje com variedade de shows gospel. Povo acaba se esfriando, a presença de Deus ficando cada vez mais ausente, sem amor ao próximo, sem temor a Deus. 

Dormem e se cansam na hora da Palavra, mas na hora do “louvor” vibram (Isso quando há Palavra em muitos lugares).  

Louvor a Deus? Hipocrisia dizer, pois estão esperando muitos instrumentos musicais e uma música que seja agitada com letra emocionante e ótima para cantar. Agradam a carne, mas o Espírito permanece o vazio. 


Letras que edificam o homem, não glorificam a Deus, só pedem coisas para Deus, impõe o que Deus "Tem que fazer". 

Muitos se emocionam por causa dos instrumentos musicais ou pela linda voz de quem canta. Pular, correr, “tirar o pé do chão”.  


A Bíblia nos ensina que devemos fugir das obras da carne e dos desejos da mocidade. 
(Gálatas 5:19 e II Timóteo 2:22) 

O Evangelho é um só e deve ser dita a Verdade. Está sendo ensinado que é necessário cantar bem e tocar bem os instrumentos musicais, agradando a Homens. Os dons, talentos e a sabedoria vem de Deus. Ele nos deu para que possamos devolver a Ele em LOUVOR e ADORAÇÃO A ELE. Onde está a Glória PARA Deus nesses locais? 

Deus é Santo e a casa onde se reúnem a Igreja de Deus deve ser Santa. 





                                                                           Idolatria 

Idolatria podemos dizer aqui de muitas coisas, mas vou pegar um determinado assunto aqui. Pesquise uma capa de CD antiga, ou LP (disco de vinil). Agora pesquise uma atual. O que era louvor, agora é música. O que era servo de  Deus, agora é cantor Gospel. 

A Igreja Cristã verdadeira não pode ser enganada. “Cantores” com agenda de shows, pôster, dão autógrafos, cadernos com imagens deles, e tudo chamando atenção para sua própria imagem. "Cantores e artistas gospel" cobram fortunas para darem seus shows e pregar. Tiram fotos com os “artistas” e colocam em redes sociais. A Igreja precisa ser alertada. Shows do mundo e “Gospel” são iguais! 

Outra idolatria: Só vou se “fulano” pregar, pois é cheio de unção. Não sabem que a unção quem dá é Deus e todos que falam da Palavra verdadeira e genuína possuem esse dom e sabedoria dado pelo próprio Deus?


"Só prego pra muita gente". Só vou em “tal” lugar por causa “disso”. Deus é SANTO. Virá buscar Sua Igreja. É preciso estarmos preparados e revestidos da armadura de Deus para suportarmos o que está por vir. Fuja da Idolatria. 



                                                    
                                                   Vaidade e Sensualidade 

É uma desigualdade e uma vaidade tão grande. Gastam muito com eles mesmos sem necessidade e a Missão foi ficando coisa do passado.

Homens caem em adultério, pois a mulher está vulgarizando dentro da própria igreja através das vestimentas segundo o padrão do mundo. Missão sendo esquecida, pois a mídia insiste que você precisa viajar e relaxar. Tudo conforme a mídia e o padrão manda. 

Existem pessoas lá fora que precisam de nós. Não tem o que comer, vestir e o pior, não tem a Salvação. Prosperidade é enviada ao Cristão para suas necessidades básicas e para Missão! Compras de folhetos evangelísticos, Bíblias, cestas básicas, água, pois para muitos nem encanamento e saneamento básico tem, passagens e suprimentos para missionários e obras assistencias. O
 homem se apegando pelas coisas do mundo.

"Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes."

Mateus 25:35-40



                                                       Mau uso dos dízimos e ofertas. 

Dízimo e as Ofertas são Bíblicos. Porém, a Palavra de Deus foi distorcida e tão banalisada que muitos ficam repugnados somente em falar desse assunto. Todo dinheiro de dízimos e ofertas são para o sustento da obra do Senhor segundo a palavra de Deus. Assistência social, toda despesa e sustento do templo e evangelismo em geral. Mas esse verdadeiro Evangelho foi deturpado com o tempo com atos que não preciso acrescentar aqui, mas de todas as coisas, irão todos prestar contas a Deus.

"Quem era ladrão não torne a roubar, antes trabalhe seriamente por realizar o bem com as suas próprias mãos, para ter com que socorrer os necessitados." 
Efésios 4:28  

                           
                                                                    Falsa Felicidade.

Muitos dizem que ser cristão é chato e triste. Pois há “regras” e não há liberdade. 

Quando conhecemos Jesus e somos selados com o Espírito Santo vemos as coisas diferentes. Nada mais é igual. Nos é fundamental o resgate das almas do inferno, a Salvação. 

Queremos conhecer mais a Deus e Sua vontade, levar esse amor, humildade e fidelidade. O que vemos hoje em dia é que a Igreja está buscando a felicidade, assim como o mundo, de forma paliativa. 

Coisas materiais, carreira profissional e posição social se assemelhando á modelos de artistas. Isso é falso! É preciso a Igreja se voltar ao Primeiro Amor. Amor pelas almas que sofrem e buscam solução de forma que não agrada a Deus. 

O mundo está deixando as pessoas tão ocupadas, estudam demais, trabalham demais, cuidam demais do corpo e da casa, compram demais, querem curtir a vida e... esqueceram da missão. Estamos na correria do dia-a-dia, mas estamos correndo para onde e pra que? 




                                                 Desvio, setas malignas na Igreja. 

O inimigo tem usado muitas coisas do mundo para nos afastar de Deus. 

TV – Quantos programas desnecessários e satisfazem a carne. Pais fazem da TV de babá pois distrai seu filho. Desenhos bonitinhos? Já viu que tipo de desenho é esse? Crianças sendo transtornadas pelo poder da televisão.  

Os jovens estão assistindo coisas que não acrescentam em nada! Novelas, futebol, maior armadilha do inimigo para prender o cristão. E ainda dizem, eu SOU “nome do time”. Pense melhor.  Jogos que saem palavrões, brigas, disputas, violência. Sem falar na falta de honestidade e corrupção envolvente oculta. 

E em muitas Igrejas os Pastores acompanham os jogos durante os cultos, comentam com as ovelhas o placar, enfim, total falta de respeito com a Palavra do Senhor. Fico a pensar se Jesus faria isso ou fez algo semelhante quando esteve pregando aqui na terra. Aí podemos notar, abrir os olhos e perceber a tamanha seta maligna que há por detrás dessas práticas. E ainda dizem "não é bem assim..."

Pense bem se Deus está nisso. Famílias não sentam mais juntos á mesa para se alimentar, e ainda deixam a TV ligada, sem ninguém assistir. 

Jogos em geral - A família está por horas á ficar jogando "joguinhos"? O que está por trás dessa diversão toda? Filhos transformados para o mal. Seu filho está agitado demais? Como está o comportamento dele? Só pensar um pouco. 

Rádio – Cristão ouvindo música do "mundo"? Primeiro, deixa-me esclarecer que ao me referir música do "mundo", são músicas imorais e que não agradam a Deus. É, o inimigo ainda deixa parecer que não tem nada demais, mas ele sabe que tem. O que diz a letra da música que você ouve? Afastando assim da família e da missão proposta. Nos afasta da presença de Deus e da nossa comunhão com o Pai.

Internet – O cristão tem falado de Deus ou de si mesmo? Vemos a pessoa falar do seu time, seu artista favorito, já contou pra todo mundo sua viajem dos sonhos, sua profissão ou falando que é necessário que o pecador se arrependa dos seus pecados e busque a Deus verdadeiramente para que possa ter a vida eterna junto a Deus. Todos terão vida eterna, mas ONDE PASSARÃO ESSA ETERNIDADE? No céu, ou no inferno?

Mostrou para todo mundo sua foto em diversos lugares e países em diversão, ou mostrou o que Jesus fez por nós para que tenhamos a salvação e vida eterna com Ele?


Está fazendo curso de línguas para aumentar seu currículum, ou para ir à missão á outros países? Sua profissão é para o louvor a Deus? Orou ao Senhor para saber qual é a vontade Dele para a sua vida?




                       Falta de amor ao próximo. Egocentrismo.


Cada dia que passa, podemos notar o quanto a falta de amor invade a vida das pessoas. Basta olhar nos olhos.
A falta do perdão está tão presente em nossos dias!
Pessoas ferem, ofendem, machucam, matam...

O caráter começa a ser moldado para a maldade por conta disso. Desconfiando mais e mais das pessoas, afastando delas, há tristeza, esfriamento, e com diversas consequências desse mal chamado "falta de perdão"... ou AUSÊNCIA DE AMOR. OPA!!! Percebeu que são sentimentos de ímpios, ou seja, de não convertidos tais práticas? 

Tão fácil dizer "Eu te amo" para quem não te fere, só te faz o bem... Mas e para quem faz o contrário?

"Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete?
Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete."
Mateus 18:21-22

Se alguém faz algo, você diz que perdoa e logo quando lembra e fala sobre o assunto já vem aquele sentimento de raiva contra a pessoa e sempre lembra daquilo? Então, esse não é o verdadeiro perdão!

"E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;"
Mateus 6:12

NA ORAÇÃO DO PAI NOSSO, PEDIMOS O PERDÃO DE DEUS E GARANTIMOS A ELE QUE PERDOAMOS AOS NOSSOS DEVEDORES.

Será que conseguimos perdoar com facilidade quem roubou nosso amor, nossa paz, nossa dignidade, nossa confiança? Quem nos "deve" carinho, afeto... uma palavra... Olha, se olhar para dentro de você e ver que não consegue perdoar, é muito importante rever sua conversão e voltar-se a Deus totalmente e verdadeiramente.

"Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste.
Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti?
E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia.
Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas."
Mateus 18:32-35


"Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram."
2 Coríntios 5:14


"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;"
1 Coríntios 13:4-8


"Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna."
2 Timóteo 2:10


A falta do perdão vai moldando as pessoas fazendo-as um ser humano mais frio e egoísta. Não pensam mais no próximo, e a Bíblia nos alerta:


"E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará."
Mateus 24:12

O que é INIQUIDADE?
- Grave injustiça, crime, pecado...

Não havendo perdão, arrependimento é onde mora o PERIGO.

QUAL A ESTRATÉGIA DO INIMIGO?
DEIXAR VOCÊ SEM TEMPO PARA FAZER SUA MISSÃO, SEM AMOR, SEM FÉ, SEM NADA ESPIRITUAL....
ELE QUER TE DEIXAR COM COISAS TERRENAS, POIS ELE SABE QUE VOCÊ SE AGRADA DISSO E MAIS, ELE NÃO DEIXA VOCÊ DIVIDIR COM NINGUÉM! "OS OUTROS QUE SE VIREM", "EU TRABALHEI POR ISSO"... ASSIM, ELE LEVARÁ AO INFERNO O MAIOR NÚMERO POSSÍVEL DE PESSOAS.


"Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?"
Romanos 10:14



                         CORRA PARA DEUS ENQUANTO HÁ TEMPO!

Nesse momento há pessoas se suicidando por pensarem que não há perdão para os pecados e erros delas, por sentirem o vazio profundo que nada consegue preencher. E o pior, não sabem nada de Deus. 

Nossa vida é para o louvar a Deus. Somos verdadeiramente felizes quando trabalhamos para Deus. 
E o melhor, o Espírito Santo nos dá o conforto, o descanso e a paz que precisamos.


Stress e depressão se cura viajando e curtindo a vida? Certamente não!  

"Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti." 

Isaías 26:3


Muitos não se ajoelham mais, porque disseram para ela que "Deus ouve de todas as formas". 
Muita teologia fria. Falsos “mover do Espírito”, doutrinas, ensinamentos, amuletos da sorte, fé sendo substituída, “música gospel” anti-bíblica, famílias se afastando, amor se esfriando, homem perdido e desiludido, uns matando os outros com mortes físicas, com palavras, irmãos que fofocam, sem união, sem amor... 

Não tem necessidade de ter uma “atração” na igreja para atrair almas. As pessoas estão hipnotizadas. É preciso tirar a venda da Igreja e não aceitar nada fora do Evangelho. 

Deus cobrará de nós cada sangue, cada alma não alcançada e isso é sério. Temos pouco tempo, é tempo de agir e o tempo é agora! 

Não fomos cheios do Espírito Santo para ficarmos parados vendo as coisas acontecerem!!! 

Estamos nos últimos dias e essa é nossa última chance para mudar. É preciso preparar a Igreja para subir. É preciso orar mais, buscar mais a Deus, vigiar e buscar santidade. 

Deus está chamando agora seus escolhidos para a luta! Não estou falando de "placa de Igreja", estou falando de todos nós, a Igreja de Cristo!!!!


Há remanescentes!!
Ainda há Pastores Pregando a Verdade! São poucos, mas existem! 
Há pessoas que querem honestamente a Cristo, Sua Palavra e serem transformadas. 
Há Homens que se dedicam de corpo e alma ao serviço de Deus.
Há pessoas piedosas, devotadas a Cristo, com todos os seus defeitos, que estão contribuindo para o crescimento do Reino de Deus.
Há ainda aqueles que têm compaixão pelos que estão se perdendo.
Há aqueles que não se renderam. Não se venderam. Permanecem fieis com a Palavra do Senhor, Cristocêntricos.

Hei, você que está lendo esse artigo que é grande, mas esse assunto te atraiu. Você que saiu de alguma denominação porque não se rende a essas mentiras e não quer participar dessa corrupção. Por favor, recorra a Cristo. Leia as Escrituras, a resposta está lá! Ore, jejue, volte-se a Deus, se arrependa dos seus pecados. Ore a Deus para te mostrar pecados ocultos. Busque a Deus, clame, rogue. Nosso tempo está se findando, corra para Cristo!

Agora não é hora para desanimar, entristecer, não! Agora é tempo de lutar!
Não consegue mais orar? Persevere! Ajoelhe, peça ajuda de Deus, fale com Ele sobre suas dificuldades. A Palavra diz que "Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis." (Romanos 8:26)


Perseverando na oração todo o tempo, você verá que suas orações estarão diferentes. Continue. Não pare agora!

Sei que é difícil recomeçar, mas ore a Deus pedindo a Ele direção para frequentar e ser membro de uma Igreja Verdadeiramente Bíblica. Não se isole, por favor. Existem muitos como você está agora, você não é o único!

Vamos! Ainda há tempo! Pegue esse restinho de tempo que você ainda tem e se entregue à vontade de Cristo! Lembra de onde você caiu, se arrependa, abandone as velhas práticas de pecado e corra para Cristo! Busque novamente a presença Dele! Ore pelos seus Dons Ministeriais e Espirituais, Talentos que Ele te deu e um dia vai requerer de você! Você verá que os Frutos do Espírito irão retornar! Lute contra os desejos da carne, incansavelmente, mas lute! Clame até que Ele responda! Busque novamente ser revestido de poder, unção que Ele mesmo te deu um dia para ser usado para a Glória Dele como vaso para honra! Não estou falando disso que vemos hoje em muitas Igrejas, estou falando de algo Biblicamente.

Volte a ter relacionamento com Ele, intimidade, santidade. Conheça-o de verdade! Seja um Obreiro Aprovado nas mãos do Grande Deus! Seja qual for a vontade Dele para a sua vida, obedeça-o! Você é parte do corpo de Cristo, cada um com uma função e missão.

Volte a ler as Escrituras, ás orações pela madrugada, a buscar o Primeiro Amor, volte! Clame por Avivamento, rasgue o seu coração para Ele, exponha todos os seus pecados, abandone essa vida de pecados que Ele perdoa você! Ajude a Igrejas sérias contribuindo para que eles levem à Palavra da Verdade!

​E se prepare para se encontrar com Ele! Falta pouco, vamos juntos chegar lá oh Igreja Invisível de Cristo!
Rumo á Cidade Celestial!


DEUS É TUDO O QUE TEMOS!



"Mas, buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."
Mateus 6:33 



"Sabe porém isto; que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te."
II Timóteo 3:1 a 5


                                           
"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.
Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós."
1 João 1:9-10



“Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.”
Efésios 4:14



A Ele toda Glória, Honra, Poder, Domínio, Majestade, Louvor e Adoração!
​Amém!

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Estudar a Bíblia faz bem e não mata!
Jesus é o médico dos médicosE é por Cristo que temos tal confiança em Deus; não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. II Coríntios 3: 4 – 6
Já há muito tempo, em nosso meio evangélico, foram disseminadas as ideias de que “a letra mata” e os estudiosos, juntamente com os sábios da época de Jesus foram contra Ele, consoante a isso vêm as noções de que os estudiosos da Bíblia perdem a fé, se tornam fariseus, doutores da lei sem vida espiritual, seguindo só as frias regras e dogmas religiosos.
Porém isso nunca foi verdade, e é sim, uma estratégia do inimigo para deixar o crente fraco, bem como estratégia dos mercadores da fé, falsos profetas, que não querem que o crente estude, para assim escravizar, aproveitando-se de sua ignorância bíblica.
Então, aqui vamos entender melhor alguns conceitos para tirar as duvidas e valorizar o estudo da Palavra de Deus.

Quem eram os inimigos de Jesus?
Na cadeira de Moisés se assentam os escribas e fariseus.
Portanto, tudo o que vos disserem, isso fazei e observai; mas não façais conforme as suas obras; porque dizem e não praticam. Mateus 23: 2-3

Os fariseus, saduceus e herodianos era partidos religiosos cujas características básicas de cada um eram as seguintes:
Fariseus – Os zeladores da lei; eram uma policia religiosa e criam na ressurreição.
Mas, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus que vinham ao seu batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira vindoura? Mateus 3:7

Saduceus – Eram geralmente ricos, elite financeira do período e não criam na ressurreição dos mortos.
Então chegaram a ele os fariseus e os saduceus e, para o experimentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu. Mateus 16:1

Herodianos – Eram os judeus partidários de Herodes (Roma).
Enviaram-lhe então alguns dos fariseus e dos herodianos, para que o apanhassem em alguma palavra. Marcos 12:13

Notem que os fariseus eram um grupo contrario aos outros dois, pois criam na ressurreição é eram contrario a Roma. Mas os vemos se unindo aos demais para se contraporem a Jesus.
Escribas – Eram os responsáveis por transcreverem a Palavra de Deus, interpretá-la e ensiná-la. Lembre-se que naquela época não existia imprensa, assim todas as Escrituras eram transcritas a mão. Desta forma os escribas eram as maiores autoridades na interpretação e conhecimento das Sagradas Escrituras, os Doutores e Interpretes da Lei, por isso os fariseus sempre buscavam os escriba quando queriam questionar Jesus referente a conhecimentos bíblicos.
Os escribas sempre existiram em Israel. Destacamos aqui Esdras, que era um escriba e se notabilizou junto com Neemias no regresso dos hebreus do cativeiro babilônico.
Ao concluir Jesus este discurso, as multidões se maravilhavam da sua doutrina; porque as ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas. Mateus 7: 28-29

Policia religiosa. Neemias o primeiro fariseu.
Protestei, pois, contra eles, dizendo-lhes: Por que passais a noite defronte do muro? Se outra vez o fizerdes, hei de lançar mão em vós. Daquele tempo em diante não vieram no sábado.
Contendi com eles, e os amaldiçoei; espanquei alguns deles e, arrancando-lhes os cabelos, os fiz jurar por Deus, e lhes disse: Não darei vossas filhas a seus filhos, e não tomareis suas filhas para vossos filhos, nem para vós mesmos. Neemias 13: 21 e 25

Nos tempos de Neemias o povo de Israel estava voltando da Babilônia e havia uma tentativa de mistura da fé com os pagãos na região, então surgiu a necessidade deste policiamento religioso, questão de por ordem na casa. Imagine se em nossas igrejas não houvesse critérios algum, acabaria aparecendo no culto pessoas até com trajes de banho, para assim que acabasse o culto irem para a praia.
Então aconteceu que Neemias com este zelo ardoroso e violento manteve as praticas religiosas em Israel, por questões de sobrevivência, porém esta pratica violenta continuou até nos tempos de Jesus.
Assim surgiu este partido religioso e político dos fariseus, cuja principal função era manter a pratica das ordenanças, leis e costumes do povo. Deve-se muito aos fariseus o mérito de manter uma nação monoteísta, em um mundo totalmente politeísta. São duas faces da mesma moeda. De um lado mantinha o povo unido em Deus, do outro lado intimidava, era violenta e temida.

Nota: Quanto ao fato de Neemias ser o primeiro fariseu ou ter dado inicio ao partido, isso é apenas suposição de nossa parte, sem fundamento algum histórico. Colocamos essa comparação para sermos mais didáticos.
Na cadeira de Moisés se assentam os escribas e fariseus. Mateus 23: 2
Quando Jesus diz que os fariseus e escribas estão sentados na cadeira de Moises, Ele diz que esses escribas e fariseus eram os sacerdotes. Percebam que saduceus e herodianos não, pois logicamente esses outros grupos estavam mais interessados em dinheiro e prestigio com Roma, tendo assim muita inimizade com os fariseus.
O fato principal aqui é entendermos que os inimigos de Jesus eram os sacerdotes, comparando hoje, seriam os pastores, bispos, diáconos, etc. Sei que a comparação não é boa, mas é a verdade e ainda assim é melhor do que culpar os estudiosos da Bíblia, que é a Palavra de Deus.
Perceba também que esses sacerdotes eram simplesmente contra a verdade que Jesus pregava, ou seja, eles não queriam que o povo entendesse as Escrituras, para não serem libertos, assim perdendo suas fontes de exploração e lucro.

E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; vós, porém, a fazeis covil de salteadores. Mateus 21: 13
Mais uma vez notem no versículo acima, por que Jesus tachou a casa que deveria ser de Deus como casa de ladrões e não casa de comerciantes?
Simples, Por que os sacerdotes tinham feito um comercio de produtos religiosos, animais para holocaustos, incenso, etc. e segundo relatos históricos o dono desse comercio era Anás.

E conduziram-no primeiramente a Anás; pois era sogro de Caifás, sumo sacerdote naquele ano. João 18:13
Então da para perceber o conchavo entre Anás e Caifás. Imaginem um fiel vinha com sua oferta de longe, quando apresentava ao sacerdote (Caifás), ele recusava por algum defeito, só visto por ele. Como saída tinha o mercado de Anás. Comercio lucrativo e desonesto.
Jesus desta forma, pregando a verdade, passou a ser um risco muito grande para eles. Enfim simples interesse econ^pmico e político.
Contudo vejam que hoje existem “igrejas” que proíbem ou desmotivam seus membros a conhecerem outros ensinos, a estudarem, inclusive usam até um material a parte a Bíblia, pregam que a letra mata, que o estudo da Bíblia faz a pessoa se tornar um fariseu.
Mentiras para cegar espiritualmente e provocar escravidão.

Tempestade em uma sopa de letrinhas.
Porque a letra mata, mas o espírito vivifica. II Coríntios 3: 6c

Diz uma máxima: Tire um texto de seu contexto, que teremos um pretexto.
Esse texto bíblico se encaixa perfeitamente nesta ideia da máxima, pois o significado do versículo é para exclusivamente dizer que a lei (letra) mata, e o Espírito vivifica, contudo ele tem sido tirado de seu contexto para se incutir a ideia de que o estuda da palavra de Deus pode matar espiritualmente. Nunca um texto foi tão mau interpretado e mau usado na Bíblia.
O resultado disso é que cada vez mais as escolas bíblicas pedem o crédito, para darem lugar a cultos onde “revelações e mistérios” tem prioridade e a Palavra fica em segundo plano. Para conferir isto, vá a uma igreja que tenha em um dia culto de doutrina, e em outro dia culto de “milagres”, então note qual desses cultos estará mais cheio.

A palavra de Deus é fonte de vida e é Espírito.
O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida. João 6:63
Ao contrário do que dizem alguns. O estudo da Bíblia só trás benefícios e a falta de estudo trás destruição.
Não existe na Bíblia nenhum texto falando que as Sagradas Escrituras matam ou prejudicam alguém. Claro que existem pessoas que distorcem as Escrituras, exemplo disso foi a tentação de Jesus pelo diabo, na qual ele usou textos bíblicos para tentar, mas esse fato só ressalta o valor do conhecimento da Palavra de Deus, pois Cristo venceu o diabo com o uso das Escrituras.

Conclusão
É necessário urgentemente valorizarmos o estudo da Palavra de Deus, pois estamos nos últimos dias, e o que temos visto são pessoas com comichão nos ouvidos, criando doutrinas que não existem e atribuindo a Bíblia.
Temos de saber fugir dos falsos mestres e só conseguimos isso conhecendo a Bíblia.
A bebida e a Bíblia
Na vida cristã nos deparamos com vários temas que exigem muito estudo da Palavra de Deus para discernir o que é certo. A questão da bebida é um desses temas controversos, pois não há textos claros proibindo a bebida e em contrapartida há alguns se referindo a bebida de forma corriqueira, inclusive incentivando a beber, como é o caso de Paulo a Timóteo, por causa do estomago, porque o vinho lhe faria bem ao estomago.
Não bebas mais água só, mas usa um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades. I Timóteo 5:23
Sendo assim vamos analisar os texto e contextos dessa questão da bebida na Bíblia.


1º Conceituando os tipos de bebidas na Bíblia.
Vinho - é qualquer bebida alcoólica ou não alcoólica feita de uva.
E ninguém deita vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo romperá os odres, e perder-se-á o vinho e também os odres; mas deita-se vinho novo em odres novos. Marcos 2:22

Odres são sacos de pele feitos de animal para armazenar líquidos.
E no tempo de Jesus, para a fabricação do vinho, tinha que pôr o suco de uvas pisadas, dentro do odre (Saco ou bolsa de couro feitas com peles de animais.
O vinho novo é o vinho sem fermentação, desta forma ele não deve ser colocado em um odre velho, porque sendo o odre um recipiente de couro; o couro velho já se esticou ao máximo, perdendo a sua elasticidade. E ao receber um vinho novo, sem fermentação, ele se rompera por não poder mais se expandir. Por causa dessa justificação acreditamos que o vinho que Jesus, fez por milagre, nas bodas de Caná, era este vinho novo, sem álcool. (João 2: 6 -10)
Vinagre – Nos tempos bíblicos era a bebida alcoólica, bebida de baixa qualidade, chamada de “vinho barato”, o seu significado literal hoje é “vinho amargo”. Também nos tempos bíblicos não era usado como condimento e sim como bebida.
Também à hora de comer, disse-lhe Boaz: Achega-te, come do pão e molha o teu bocado no vinagre. E, sentando-se ela ao lado dos segadores, ele lhe ofereceu grão tostado, e ela comeu e ficou satisfeita, e ainda lhe sobejou. Rute 2:14

Bebida forte – Bebida com alto teor alcoólico podendo ser o vinagre ou o vinha, a característica dela era só a embriaguês.
E aquele dinheiro darás por tudo o que desejares, por bois, por ovelhas, por vinho, por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; comerás ali perante o Senhor teu Deus, e te regozijarás, tu e a tua casa. Deuteronômio 14:26

Para que a bebida forte?
Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando bebida misturada.
Os teus olhos verão coisas estranhas, e tu falarás perversidades.
E dirás: Espancaram-me, e não me doeu; bateram-me, e não o senti; quando virei a despertar? ainda tornarei a buscá-lo outra vez. Provérbios 23: 30, 33 e 35

Na antiguidade não existia anestesia, ela só foi criada no século XIX, ano 1846 aproximadamente. Então os métodos usados para aliviar a dor eram as bebidas, esse efeito da bebida ainda é conhecido hoje, por isso existem no Velho Testamento passagens bíblicas a bebida forte que era a anestesia da época.
Outra propriedade da bebida era tirar o medo, isso era muito usado em batalhas pelos povos antigos, os soldados bebiam para perder o medo.
Então o Senhor despertou como dum sono, como um valente que o vinho excitasse. Salmo 78:65.
Desta forma a bebida não considera como pecado beber, porém a embriaguês e considerada com pecado.
Ai dos que se levantam cedo para correrem atrás da bebida forte e continuam até a noite, até que o vinho os esquente! Isaias 5:11

Bebidas para os condenados.
Dai bebida forte ao que está para perecer, e o vinho ao que está em amargura de espírito.
Para que bebam e se esqueçam da sua pobreza, e da sua miséria não se lembrem mais. Provérbios 31: 6-7

Como a bebida é um anestésico, era costume piedoso dar bebida aos condenados. Veja que na crucificação de Cristo ofereceram a Ele por duas vezes bebidas, uma antes de ser pregado na cruz.. Esta primeira bebida era uma beberagem alcoólica muito forte, uma mistura de vinho, fel e mirra, muito amarga e com capacidade de embriagar rapidamente. Um ato piedoso para que o condenado não sofresse tanto, porém Jesus não quis beber.
E ofereciam-lhe vinho misturado com mirra; mas ele não o tomou. Marcos 15:23
Já na segunda vez que oferecem bebida, era o vinagre, lembre-se vinagre naquele tempo era uma bebida alcoólica, e os soldados romanos a tinha para uso próprio, oferecendo a Jesus. Os romanos acreditavam que o vinagre aliviava dores e curava algumas enfermidades.
Correu um deles, ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias virá tirá-lo. Marcos 15:36

Não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte!
Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte; Provérbios 31:4
A bebida tira o raciocínio, por isso que as pessoas que são de importância, os príncipes, nazireus, profetas, etc, não devem ser amigos da bebida.
Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando alguém, seja homem, seja mulher, fizer voto especial de nazireu, a fim de se separar para o Senhor, abster-se-á de vinho e de bebida forte; não beberás, vinagre de vinho, nem vinagre de bebida forte, nem bebida alguma feita de uvas, nem comerá uvas frescas nem secas. Números 6: 2 -3
Os nazireus eram pessoas separadas para Deus, um grande exemplo de nezireus era Sansão, que um anjo instruiu os seus pais desde antes do nascimento a não beber bebidas alcoólicas. (Juizes 13: 13-14)
Também temos o exemplo do profeta João, o Batista, porque ele seria grande diante de Deus não deveria beber bebida alcoólica nunca.
Porque ele será grande diante do Senhor; não beberá vinho, nem bebida forte; e será cheio do Espírito Santo já desde o ventre de sua mãe; Lucas 1:15

Conclusão
Busquei no meu coração como me daria ao vinho (regendo porém o meu coração com sabedoria), e como reteria a loucura, até ver o que seria melhor que os filhos dos homens fizessem debaixo do céu, durante o número dos dias de sua vida. Eclesiastes 2:3
Está é a verdadeira questão sobre a bebida, ela não é pecado, porém, pode levar as pessoas a grandes quedas, veja os exemplos de Noé, que se embriagou, e o fato gerou uma maldição dentro da família (Genesis 9: 20-27), também o caso de Ló que foi embriagado pelas filhas para cometer o grave pecado de incesto (Genesis 19: 31-38).
Desta forma a nossa posição diante da bebida deve ser a de abstinência, pois se queremos ser grandes diante de Deus, “príncipes e reis”, se queremos agradar a Deus realmente, a bebida não combina de forma nenhuma com a santidade.
BATALHA ESPIRITUAL TEXTO BÍBLICO – I Ped. 5: 8 a 11
1) O que é batalha espiritual? – Efésios – 6: 11 a 18.
Espada Espiritual- Podemos afirmar que batalha espiritual é a luta que travamos na esfera espiritual, e às vezes física, contra os poderes e hostes (tropas) satânicas. Essa batalha pode ser manifesta de várias formas e nas coisas mais simples. Principalmente nas coisas concernentes ao Reino de Deus, especialmente quando se trata do avanço do Evangelho (a igreja) na salvação de vidas. A primeira batalha espiritual da raça humana aconteceu no Éden, Jardim de Deus, onde o pecado foi introduzido por Satanás para vergonha e desprezo do homem (Gn. 3). De lá pra cá, tem sido constantes os ataques satânicos, nem mesmo Jesus escapou de sofrê-los tais ataques. Nossa esperança é que: assim como o Senhor Jesus venceu todas as investidas do diabo, em seu nome, nós também possamos vencer!
2) Quem é Satanás?
Satanás, diabo ou a antiga serpente, são nomes bíblicos para a personificação do mal. É o arque inimigo de Deus. É um anjo decaído (Lúcifer – anjo de luz), que foi expulso do céu (Apoc. 12) ao permitir que o orgulho o dominasse, querendo ser igual a Deus (Ez. 28: 1 a 19). Lúcifer, o anjo de luz, foi criado por Deus, mas não soube usar o poder que Deus lhe concedeu, o que deveria ser para a glória de Deus foi usado em glória pessoal. Essa atitude, por sua própria escolha, o transformou em Satanás, passando a usar o poder que tem para ofender a Deus. Graças a Deus que seus dias estão contados (Rm. 16: 20; Apoc. 12: 12).
3) Qual o objetivo de Satanás?
- Seu objetivo é opor-se de forma irrestrita a Deus e a todos os seus propósitos. Como não pode enfrentar a Deus, direcionou para o homem toda a sua ira e revolta, visto que somos “a menina dos olhos de Deus”, coroa da criação (SL. 8: 5). O porquê, ou para que, Deus o permite, não sabemos. O que precisamos saber é que: “maior é quem está em nós” (I João 4: 4) e que o seu fim está próximo.
4) Como ele age? – Gn. 3: 1 a 7; At. 5: 1 a 11; 8: 1 a 3.
- A ação maligna é diversificada. Não existe uma forma única do seu agir, pelo contrário, ele é muito astuto e sagaz. Busca a maneira mais sutil para não ser notado, quando isso acontece, o estrago é maior. Durante séculos, tem espalhado a notícia de que não existe e que o diabo, somos nós. Abaixo estão algumas formas do seu agir:
a) Engano e mentiras;
b) Ódio e desânimo;
c) Orgulho e vaidade;
d) Violência e intrigas;
e) Articulação;
f) Manipulação;
g) Acusação;
h) Escravidão (sexo, drogas, poder e fama, etc.);
i) Heresias;
j) Opressão (ameaças e perseguição);
k) Possessão e outros...
5) Como Jesus foi tentado
- Como vimos no inicio, nem Jesus escapou dos ataques e ciladas satânicas, mas também não cedeu a nenhum desses ataques. Desde o seu nascimento até o calvário, o diabo investiu tudo que pode para destruir de uma vez o Senhor Jesus. Mas o Cristo de Deus o venceu de forma triunfal. Podemos perceber esses ataques contra o Senhor nos seguintes casos:
a) Na tentação de Jesus – Mat. 4: 1 a 11. Jesus foi tentado como homem e como Deus.
b) Se opôs a Jesus de 4 maneiras diferentes: 1º - Oposição Política – Mat. 11: 1 a 19. 2º - Oposição Social – Mat. 11: 20 a 30. 3º - Oposição Religiosa – Mat. 12: 1 a 45. 4º - Oposição Familiar – Mat. 12: 46 a 50.
c) Usando a Pedro – Mat. 16: 21 a 23.
d) No calvário – Mat. 27: 33 a 44.
6) Como enfrentar Satanás – Is. 59: 19; Apoc. 12: 7 a 12.
- Essa com certeza é a questão mais importante de tudo que já vimos até agora. Vencer a Satanás e toda a sua hoste infernal deve ser uma constante em nossa vida. Isso é mais do que possível – só depende de nós mesmos. Deus já nos deu todos os recursos necessários para vencê-lo. Tais recursos são descritos abaixo, bem como algumas verdades para nos ajudar nessa luta diária.
a) Não ter medo dele - Tg. 4: 7.
b) Consciência do poder de Jesus – Mt. 28: 18.
c) Conhecer e usar a Palavra de Deus – Col. 3: 16.
d) Vida constante de oração – 1 Ts. 5: 17.
e) Conhecer e fazer a vontade de Deus – submissão – Rm. 12: 2.
f) Resistir ao diabo – fazer uso da Palavra – Mt. 4: 4; Tg. 4: 7.
g) Crer na autoridade do nome de Jesus – At. 4: 12; Fl. 2: 5 a 11.
h) Pedir sempre a Deus discernimento – 1 Cor. 12: 10.
i) Não confiar em si mesmo – 1 Cor. 10: 12.
j) Manter em dias as contas curtas com Deus – 1 Jo. 1: 9.
k) Ter convicção da vitória de Cristo na cruz – Col. 2: 15.
l) Saber que Jesus veio desfazer todas as obras de Satanás – 1 Jo. 3: 8.
m)Em casos de possessão mantenha os olhos abertos, em espírito de oração.
n) Não atenda aos pedidos do possesso.
o) Tente levar a pessoa à conversão – Jo. 8: 32,36.
p) Não use a força física.
q) Pregue sempre a Palavra – 2 Tm. 4: 2.
r) Revista-se da armadura de Deus – Ef. 6: 11 a 18.
7) A necessidade de uma vida cheia do Espírito – Ef. 5: 18.
- Ser cheio do Espírito deveria ser o normal em nossas vidas. Infelizmente isso nem sempre acontece, não temos tempo para Deus! O mundo seria bem diferente se todos os crentes fossem cheios do Espírito a cada dia, anulando por completo as obras da carne. Isso não é uma questão de escolha, é uma necessidade. Como isso é possível a simples mortais como nós somos? Vejamos:
a) Saber que essa é a vontade de Deus - Ef. 5: 18.
b) Saber que o Espírito já está em nós – Ef. 4: 30.
c) Submeter-se ao domínio do Espírito – obedecer – Ef. 5: 22 a 24.
d) Esvaziar-se das obras carnais – Gl. 5: 24.
e) Praticar os frutos do Espírito – Gl. 5: 22.
f) Mantenha uma vida de oração - 1 Ts. 5: 17.
g) Meditar sempre na Palavra de Deus – Sl. 1: 2; 119...
Conclusão
- Queridos e amados do Senhor, graças a Deus que nessa batalha contra o poder das trevas já temos a vitória garantida. O inimigo de Deus já foi derrotado e está aguardando o juízo final, quando Cristo triunfalmente voltará para buscar sua igreja. Enquanto o aguardamos, marchemos firmemente ao encontro do Senhor, semeando sua Palavra que transforma vida. Amém.
O que é um pastor???!
Como é de praxe para responder esta pergunta começamos pelo mais lógico e simples. O pastor é quem pastoreia, cuida do rebanho, o responsável pelas ovelhas. Bastante lógico e simples. Não é? E é isto que a Bíblia quer passar com a função de pastor, em todas as suas figuras, tanto no Novo como no Velho Testamento.
Veja o exemplo de Davi que era pastor de ovelhas e usa essa figura no Salmo 23 para mostrar como se sentia, como ovelha, em relação a Deus que é seu Pastor.
Também Jesus usa a figura de pastor se colocando como o Bom Pastor. Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. João 10:11
Sendo assim por comparação entendemos que o pastor humano, sacerdote cristão é o guardador e guia das ovelhas de Cristo, que é o Sumo-pastor, pela qual eles darão conta.
Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil. Hebreus 13:17
Deus instituiu os pastores
E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo... Efésios 4:11-13
Estes que citam os versículos acima são, abaixo de Cristo, os cabeças da igreja, responsáveis pelo crescimento organizado e perfeito da igreja:
Apóstolos – A palavra significa enviado – Sendo assim como Jesus é o enviado de Deus ele enviou os discípulos, os 12 ou mais. Disse-lhes, então, Jesus segunda vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. João 20:21
Profetas – São os que falam da Palavra de Deus. Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação. I Corintios 14:3. Assim a função do profeta visa o crescimento da igreja. Profeta não é adivinho!!!
Evangelista – é quem prega as boas novas, porém não tem a função de doutrinar a igreja, veja o exemplo de Filipe, que é o único na Bíblia que tem o título de evangelista Atos 21:8. Examine a historia dele e você verá que ele só pregava a Cristo, levava o povo a serem crentes, porém outros doutrinavam. (em Atos 8, Filipe leva o Evangelho a Samaria porém Pedro e João consolidam, da mesma forma o eunuco que se converte e não é discipulado por Filipe); Quanto ao titulo Paulo também manda Timóteo fazer o trabalho de um evangelista porém não o intitula de evangelista. II Timóteo 4:5
Missionário – o título de missionário não tem na Bíblia, a palavra significa alguém com uma missão, contudo o típico missionário é Paulo, e a função de um missionário é pregar o evangelho, consolidar uma igreja, e depois que tudo está pronto e consolidado ele passa a responsabilidade da igreja para um pastor. Note que a função de um missionário e correlato ao do apóstolo, ou seja, o missionário é o apóstolo, porém por se achar um título muito pomposo os mais antigos preferiram ser chamados de missionários em vez de apóstolos. Sendo assim missionário e apóstolos são a mesma coisa. Veja a historia de Paulo que fundou varias igrejas e consolidou as que existiam. Notem também que um ônibus, avião ou uma mudança de cidade não torna um pastor missionário.
Pastores e mestres - são correlatos estudaremos mais especificamente sobre os pastores.
Pastor é mais do que um dom é uma vocação.
Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil. Hebreus 13:17
Quem já esteve em um posto de liderança sabe o quanto é difícil lidar com pessoas, veja o caso dos guias (pastor, missionário e líderes em geral) na igreja nós temos várias categorias de membros que são antagônicas; veja uma comparação a baixo:
Temos ovelha e cabritos Mateus 25: 31-33. Quando Jesus vier Ele vai separar, mas por enquanto eles estão juntos.
Temos Trigo e Joio - Mateus 13: 24-30. Quando Jesus vier Ele vai separar, mas por enquanto eles estão crescendo juntos.
Temos crianças espirituais - I Coríntios 14:20, temos santos e pecadores, temos cristãos carnais e espirituais. Enfim temos todo tipo de gente boa e ruim, tudo isso para o pastor cuidar. Convenhamos isso não é coisa fácil. Então para conseguir administrar toda essa “Arca de Noé” o pastor tem de ter muito amor, paciência, discernimento, e etc., e ponha etc. nisso.
O pastor tem de ter ciência e conhecimento.
Hoje em dia temos visto varias pessoas desqualificadas que se dizem “pastores”, porém no máximo eles deveriam serem chamados de evangelistas, pois é uma função que não exige muito de conhecimento profundos do ministro, como é o caso dos pastores, mestres e missionários/apóstolos.
E vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência. Jeremias 3:15
É a vontade de Deus que os pastores sejam pessoas instruídas, pessoas que usam de seus conhecimentos totalmente, infelizmente o que hoje vemos são “pastores” que malmente sabem o português, falam errado, distorcem as Escrituras Sagradas por pura ignorância e nunca leram algum livro e certamente nem leram a Bíblia por completo, ficam, como papagaios repetindo coisas que ouviram de outro, na televisão, no rádio e etc. Por isso muitos perdem a fé e esses são rejeitados por Deus.
O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porquanto rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos. Oséias 4:6
Veja que Deus rejeita o sacerdote que rejeita o conhecimento e qualificação para o sacerdócio. E não vá dizer que Deus dá conhecimento! Conhecimento Ele dá, porém alfabetizar Ele não alfabetiza, nem faz o que é obrigação do homem fazer, e estudar é obrigação de todos, principalmente do pastor.
Um pastor sem conhecimento e inteligência não é um pastor, é um tolo e as ovelhas estão sem pastor, quando surgir uma dificuldade, simplesmente as ovelhas não terão a quem recorrer. Portanto ovelhas, veja as credenciais do pastor, ele estudou aonde, quem o consagrou a pastor, duvide se ele disser que foi Deus, isso significa que ninguém o consagrou, infelizmente parece até piada, mas veja se ele sabe ler direito, e não descarte a formação secular, 2º grau no mínimo.
Veja que estou falando de pastores e mestres que devem dirigir a igreja que não é coisa fácil, um analfabeto pode até ser um profeta como era o caso do profeta Jeremias que dizer os estudiosos que era analfabeto, por isso Deus mandou outro escrever no lugar dele Jeremias 36:4, Porém pastor tem de ter ciência e inteligência.
Relação do pastor com seu rebanho
Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; cuida bem dos teus rebanhos; porque as riquezas não duram para sempre; e duraria a coroa de geração em geração?
Quando o feno é removido, e aparece a erva verde, e recolhem-se as ervas dos montes, os cordeiros te proverão de vestes, e os bodes, do preço do campo.
E haverá bastante leite de cabras para o teu sustento, para o sustento da tua casa e das tuas criadas. Provérbios 27: 23 - 27
Nesse texto temos a relação do pastor com seu rebanho, o pastor deve cuidar do rebanho e o rebanho deve sustentar o pastor. O trabalho de cuidar de um rebanho é árduo, nós já falamos sobre isso, então quanto menos o pastor estiver preocupado com as condições seculares, melhor, quanto menos problema melhor, as ovelhas devem sempre estar sustentando o pastor, tanto com a renda, como também em orações, pois um depende do outro. E o pastor por sua vez tem que ficar atendo as ovelhas, cuidar para que elas estejam em segurança, evitando os “lobos e mercenários”, que podem matar as ovelhas. Vemos no texto que o coração do pastor deve estar no rebanho e não preocupado com as outras coisas, só assim ele prosperará junto com o rebanho.
Com o crescimento do rebanho o pastor também é sustentado.
Mas, para que não os escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir e, abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o, e dá-lho por mim e por ti. Mateus 17:27
A didracma é descrita em Mateus 17:24-27 como o imposto anual que o judeu pagava ao tesouro do templo, cobrado de Jesus através de Pedro, que foi pago de maneira miraculosa, através da pesca de um peixe (Mateus 17:27), dentro do qual havia um estáter, moeda grega de valor próximo a 4 dracmas ou 2 didracmas, com o qual foi pago o tributo da dupla.
Nós entendemos deste texto acima, que a igreja cresce com a pregação da palavra e o evangelismo, Pedro era pescador de homens. Marcos 1:17. e Jesus ao mandar ele pescar e tirar o resultado da pesca para Ele e para Pedro entendemos que as condições seculares do pastor, as finanças e tudo secular melhora com o crescimento da membresia da igreja.
Conclusão
O pastor é um cargo de suma importância para a igreja de Cristo, e é fundamental que os pastores sejam pessoas preparadas, integras e idôneas para esse fim, infelizmente hoje muitos desqualificados tem se colocado esse titulo e aberto “igrejas” e dirigindo pessoas como o próprio Cristo falou um cego guiando outro cego. E propôs-lhes também uma parábola: Pode porventura um cego guiar outro cego? não cairão ambos no barranco? Lucas 6:39
Muito cuidado e que Deus coloque em nossas igrejas pastores de verdade, e também que a igreja possa provar os pastores que são verdadeiros.
Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos. Apocalipse 2:2
Que o Espírito de Deus nos dê o discernimento para conhecer os verdadeiros pastores e na qualidade de ovelhas venhamos a ser obedientes e orar pela vida e ministério de nossos pastores.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

VOCÊ SABE COMO REGISTRAR SUA IGREJA DIANTE DA LEI? VEJA!!

Nas últimas décadas o Brasil viveu um período onde houve um exagerado crescimento na quantidade de denominações evangélicas no país, o fenômeno chega a ser de certa forma agressivo, dado a facilidade de se registrar e legalizar uma igreja.
Mas, o centro da questão não é tão somente a quantidade, outrossim, a qualidade. É exacerbada a quantidade de líderes, pastores, bispos, apóstolos, donos de igreja, que criam uma nova denominação sem capacidade alguma de exercer o ministério de forma competente. Falta preparo, instrução, dissernimento, conhecimento bíblico, sobra ignorância, heresias e pessoas sendo conduzidas de forma irresponsável por um caminho que ao invés de manifestar a luz do evangelho, geram apenas dispersão, sem fundamento da fé, sem fundamento na Palavra. Essa falta de fundamentos acabam gerando novas dispersões e consequentemente a criação de novas igrejas, o que tem gerado uma reação em cadeia.
Criar uma nova denomiação não constitui algo maléfico, desde que feito de forma responsável, de forma lúcida, direcionada por Deus e se a denominação origina-se de outra, deve-se ser feita de forma pacífica, o que é extremamente raro. Infelizmente, a maioria das denominações criadas atualemtne são geradas de divergências dentro das igrejas, por vaidade ou mesmo por ganânica. Desta forma, os cristãos devem estar atentos a este fenômeno, pois ele pode ser tanto uma fonte de bênção como uma fonde de maldição.
Se você desejar saber como registrar uma igreja evangélica no Brasil, confira os seguintes passos:

Necessário oito membros no mínimo.
I – Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos:
Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade jurídica e caracterizada pelo agrupamento de pessoas para a realização e consecução de objetivos e ideais comuns, sem finalidade lucrativa.
II – Características de uma Associação Sem Fins Lucrativos:
1. constitui a reunião de diversas pessoas para a obtenção de um fim ideal, podendo este ser alterado pelos associados;
2. ausência de finalidade lucrativa;
3. o patrimônio é constituído pelos associados ou membros;
4. reconhecimento de sua personalidade por parte da autoridade competente.
III – Roteiro para constituição e registro de associações:
1. elaboração e discussão do projeto e Estatuto Social;
2. assembléia Geral de constituição da Associação;
3. obtenção de inscrição na Receita Federal – CNPJ;
4. inscrição na Secretaria da Fazenda – Inscrição Estadual (se vender produtos);
5. registro da entidade no INSS;
6. registro na Prefeitura Municipal.
7. Documentos do Presidente e membros que assinam atas e estatutos social
(CPF, RG, Comprovante de Residencia.)
8. Contrato de Locação e respectivo IPTU


Mas , se é de Deus , não podereis desfazê-la ; para que nao aconteça serdes também achado combatendo contra Deus .   ATOS  5/39

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Quatro possíveis razões e uma palavra-chave

Por que os cristãos estão divididos?
Já se perdeu a conta da fragmentação do cristianismo em inúmeras denominações, igrejas e seitas. Ao que parece, as cisões estão na ordem do dia. Mesmo a Chamada da Meia-Noite não ficou isenta de múltiplas controvérsias e de amargas discussões ao longo dos seus 60 anos de história (N. da R.: houve algumas discussões e controvérsias na Europa, com a Chamada da Meia-Noite em sua sede na Suíça) – e é provável que assim continue também no futuro. Qual seria a razão disso?
Quero apontar aqui quatro razões ou respostas. A primeira é simples, mas provavelmente é a mais difícil de suportar. A divisão dos cristãos baseia-se na natureza humana. “O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa”, diz o profeta Jeremias, “e sua doença é incurável; quem é capaz de compreendê-lo?” (Jr 17.9). Os crentes poderão argumentar que ganharam um novo coração por meio de Jesus (Rm 6). É verdade! Todavia, ainda assim os cristãos lutam com o pecado em seu velho corpo (Rm 7). Enquanto ainda habitarmos este corpo atacado pelo pecado, será para todos nós impossível enxergar tudo corretamente. “Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas então veremos face a face” (1Co 13.12). Somente quando ressuscitarmos ou formos transformados e virmos o nosso Senhor face a face é que entenderemos tudo (cf. 1Jo 3.2).
Os cristãos são personalidades divergentes, têm aspectos fortes e fracos diferentes, diversas preferências e pecados variados com que precisam lutar. Sua formação, maturidade, capacidade espiritual, relacionamento com o Senhor, seu intelecto, sua capacidade intelectual diferem… não admira que tantas vezes discordemos! Os seres humanos são complexos, emotivos e inquiridores, e os cristãos não são exceção. A conversão não nos transformou em robôs padronizados. “Os propósitos do coração do homem são águas profundas, mas quem tem discernimento os traz à tona” (Pv 20.5).
“… Pois vocês sabem que nós, os que ensinamos, seremos julgados com maior rigor. Todos tropeçamos de muitas maneiras…” Tiago 3.1b,2a
A Palavra de Deus é verdade objetiva, mas as pessoas a interpretam subjetivamente. Tiago, líder da igreja primitiva em Jerusalém, diz a respeito das questões doutrinárias: “Todos tropeçamos de muitas maneiras” (Tg 3.2). Por isso os crentes não deveriam ter muita pressa em ser mestres da Palavra, “pois vocês sabem que nós … seremos julgados com maior rigor” (Tg 3.1).
Tiago 3.2 é um “versículo régio” em relação à nossa questão. Se um meio-irmão de Jesus e uma “coluna” da igreja primitiva (Gl 1.9) diz que “todos [nós] tropeçamos frequentemente, incluindo assim a si mesmo nisso, quanto mais essa declaração se aplicará a nós hoje, 2.000 anos depois e culturalmente a anos-luz de distância dos apóstolos!
Hoje há uma variedade de premissas e sistemas teológicos concorrentes influindo o modo como lemos a nossa Bíblia. Podemos não nos dar conta disso conscientemente, mas por meio das igrejas que frequentamos, os institutos bíblicos nos quais nos formamos ou a literatura cristã que lemos, cada um de nós tem marcas teológicas diferentes. Entre os protestantes há, por exemplo, teólogos da aliança, teólogos da substituição, dispensacionalistas, ultradispensacionalistas, dispensacionalistas progressivos, batistas, calvinistas, luteranos, menonitas, irmãos abertos, irmãos restritos, universalistas, arminianos, amilenistas, pós-milenistas, pré-milenistas, pré-tribulacionistas, mesotribulacionistas, pós-tribulacionistas, presbiterianos, congregacionalistas, anglicanos, pentecostais, etc. etc. … E ainda que todos eles tenham boas razões para afirmar sua fidelidade exclusiva à Bíblia, todos acabam determinados por diferentes sistemas interpretativos e teologias sistemáticas. A cultura cristã na qual nos movemos inevitavelmente tinge os óculos através dos quais lemos a Bíblia.
Não me entendam mal: todos temos óculos como esses, e isso é normal. A arte está em obter as lentes certas. Paulo espera que interpretemos a Palavra de Deus “segundo a sã doutrina” (Tt 1.9). A sã doutrina apostólica terá de ser o nosso filtro. Quem afirma ler a Bíblia sem óculos e sem filtro engana a si mesmo. Assim, por exemplo, é razoável que nenhum cristão normal aplique à sua vida diária a exigência de apedrejar filhos rebeldes fora da cidade, conforme exige a aliança do Sinai (Dt 21.18-21).
Temos de reconhecer que todos nós – mesmo os mais sábios e “piedosos” entre os professores de Bíblia – somos criaturas falíveis. Nenhum de nós seria superior a Tiago neste quesito. Somos pessoas que conseguem enganar até a si mesmas. A Bíblia sabe disso há muito tempo (Jr 17.9). A esta altura, os psicólogos seculares também já descobriram esse fato. Por natureza, tendemos a registrar a realidade de uma forma que se encaixe em nosso esquema e que corresponda à imagem subjetiva que temos do mundo. Por isso o diálogo de surdos entre os cristãos é tão comum e não conseguimos progredir. Constantemente corremos o risco de interpretar palavras e frases da Bíblia segundo as nossas tendências pessoais.
Um exemplo: imagine alguém que em geral raciocine de forma muito organizada e sistemática. Tudo em sua vida precisa ter uma estrutura definida e uma clara explicação. É uma pessoa racional e lógica, que não suporta obscuridades. Qual será sua tendência ao interpretar a Bíblia? É provável que seja simpático a sistemas interpretativos que organizem a doutrina bíblica sem lacunas e que a dividam em várias unidades fechadas e em épocas claramente definidas. Para essa pessoa seria importante ter uma explicação exata de cada detalhe bíblico, e ela cuidaria para que nenhuma incoerência penetrasse ali.
Mas temos então uma outra pessoa, o tal tipo artístico. Seu lema é: só os tolos precisam de ordem; o gênio abarca o caos. E trata-se realmente de um gênio. O que para outros parecem contradições, para ele é apenas o tempero que dá sabor à vida. Ele sempre está em busca de um plano espiritual mais elevado. Nunca se cansa de aprender. Para onde será que ele tenderá ao interpretar a Bíblia? Provavelmente sentirá rejeição por sistemas interpretativos sistematizados e afirmará que se trata de tentativas de enquadrar Deus. Mais atraentes seriam para ele abordagens mais místicas e “holísticas” da Bíblia, que mantenham uma visão do todo. Tais pessoas gostam de paradoxos e reservam espaço para incertezas.
Ambos creem a mesma coisa. Neste exemplo não temos um bom e um mau. Ambos amam Jesus Cristo, afirmam a trindade divina, valorizam a Palavra de Deus e creem no Evangelho. Mesmo assim, porém, em certos aspectos as teologias que ambos moldaram em torno do núcleo da sua fé podem ser totalmente diferentes.
De certo modo, todos buscamos um lar teológico no qual possamos nos sentir bem. E por sermos personalidades diferentes, nossos lares teológicos também podem ter aparências diferentes. Mas, como um professor de Bíblia explicou certa vez, toda casa teológica tem também seus defuntos no porão. Por nos equivocarmos, por sermos pecadores, por termos nossas preferências e limitações, sempre haverá pontos em nossas convicções que outros não poderão assumir e que – segure-se! – estão errados. E com isso chegamos ao segundo ponto.
Nós cristãos vivemos tantas vezes desunidos porque nos baseamos neste mundo e não na eternidade. Será que sempre temos consciência do que, afinal, falamos e sobre o que discutimos? Em última análise, falamos de Deus, do Onipotente, daquele que “mesmo os mais altos céus” não podem conter (1Rs 8.27) e cujos pensamentos são tão mais altos que os nossos como “os céus são mais altos do que a terra” (Is 55.9). É verdade que este Deus se comunica conosco de forma compreensível e comprometida por meio de Sua Palavra e se tornou acessível em Jesus Cristo. Ainda assim, porém, Ele continua sendo o Eterno “que habita em luz inacessível” (1Tm 6.16).
O que tem isso a ver com os defuntos no porão? Muito simples: com os nossos sistemas e os nossos pensamentos humanos, jamais poderemos captar Deus plenamente. Sempre haverá áreas na Palavra de Deus e na Teologia que não poderemos explicar ou que não conseguiremos compreender. Estamos lidando com o Onipotente e a inesgotável riqueza da sua incomensurável e múltipla sabedoria. Lidamos com um plano de redenção que supera todo conhecimento, que mesmo “os anjos anseiam observar” (1Pe 1.12).
Nós, os cristãos, muitas vezes discutimos e brigamos justamente em torno daquilo que não conseguimos entender plenamente: a soberania e a natureza do Deus triúno e Seu plano para o futuro e a eternidade. É plenamente normal que, limitados como somos, esbarremos em nossas conjecturas sobre o Eterno em nossos limites e cheguemos a resultados divergentes.
Nosso Deus é fogo consumidor“ (Hb 12.29). Qualquer encontro com Ele, o Infinito, abalará as criaturas finitas que somos e nos marcará de diferentes maneiras de acordo com a nossa respectiva configuração. Provem e vejam como o Senhor é bom. Como é feliz o homem que nele se refugia! (Sl 34.9). Todos podem experimentar a bondade de Deus, mas por Ele ser em sua natureza tão diferente, tão ilimitado, cada pessoa provará e enxergará essa bondade de modo um pouco diferente.
Atenção: isto não é desculpa para a maior de todas as heresias, segundo a qual de algum modo todas as religiões conduziriam a Deus. A Bíblia é clara e inequívoca em dizer: “Não há salvação em nenhum outro, pois debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4.12). Salvos serão apenas aqueles que creem tão-somente em Jesus Cristo e O reconhecem como Senhor da sua vida (At 16.31), e ninguém mais. Todavia, esses cristãos, por serem diferentes e limitados, tentarão explicar de formas diferentes a inesgotável plenitude do seu Deus.
Nós cristãos vivemos tantas vezes desunidos porque nos baseamos neste mundo e não na eternidade.
Se todos os cristãos de todas as eras concordassem em todos os detalhes a respeito do conteúdo da Bíblia, seria razoável dizer que teríamos em mãos um livro muito superficial. Como, porém, o que ocorre é justamente o oposto e porque se discute tão acaloradamente sobre a Bíblia porque sua Palavra atinge tanto os corações, dividindo famílias, comunidades e até países, e porque jamais encerraremos os debates sobre ela, sabemos e reconhecemos que Deus é Deus e que Sua Palavra é Sua Palavra.
É claro que um muçulmano poderia dizer o mesmo sobre o Corão, polarizador como ele é. Contudo, isto nos leva ao terceiro ponto. Os demônios calam fundo. É verdade que isto não é bem politicamente correto, mas do ponto de vista dos apóstolos, as falsas religiões têm inspiração demoníaca (1Tm 4.1), e este é um ponto que nós, como cristãos, frequentemente esquecemos. Estamos interagindo com a realidade de principados, poderes, dominadores deste mundo tenebroso e de poderes espirituais da malignidade no mundo invisível (Ef 6.12).
Um professor de Bíblia apontou certa vez para o fato de que os falsos deuses com que Israel se prostituía no Antigo Testamento eram reais. As estátuas de pedra e madeira destinadas a servir de local de veneração desses deuses não tinham vida nem conteúdo, mas os próprios deuses das nações eram reais porque por trás deles havia efetivos poderes demoníacos. Por sinal, não faria sentido dizer que Deus é maior que aqueles deuses se estes nem sequer existissem (cf. Dt 4.7; 10.17; Is 36.20). Seria mais ou menos como se o Senhor proclamasse: “Sou maior que o papai-noel!”
Os deuses eram e são reais. São demônios que inspiram falsas doutrinas e religiões e que combatem o Deus vivo e unicamente verdadeiro, bem como Sua Igreja. Defrontamo-nos com as “ciladas do diabo” (Ef 6.11), um adversário capaz de disfarçar-se de anjo “da luz” (2Co 11.14) e que nos ronda “como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1Pe 5.8).
Será que realmente não cremos que esse inimigo real, com milênios de experiência e uma rede de demônios “semelhantes a deuses”, já não terá conseguido fazer estrago na Igreja do Deus vivo? Sempre que não estivermos vigilantes e não portarmos toda a armadura de Deus, expomo-nos ao ataque de seres muito mais poderosos do que nós, que terão todo o prazer em aproveitar-se dessa vulnerabilidade.
Infelizmente, muitas vezes nossa desunião também resulta de nos deixarmos atropelar por seduções demoníacas. Assim, por exemplo, presumimos o pior sobre o nosso próximo, não nos orientamos pelas diretrizes do Evangelho e do amor, somos vítimas de boatos e difamações e pisamos em armadilhas magistralmente projetadas sob medida para nós, cedemos a bajulações, aceitamos conselhos falsos ou agimos movidos pela ira. É frequente os conflitos entre cristãos serem regidos por ódio, fúria e amargura – e tais sentimentos certamente não provêm de Deus, em que existe apenas luz e nenhuma sombra.
Preciso julgar a mim mesmo: esquecemos com excessiva rapidez que somos criaturas facilmente influenciáveis, frágeis e dependentes, expostas a um combate cósmico que não poderemos vencer com nossas próprias forças. E isto, por sua vez, nos conduz ao quarto motivo da nossa divisão.
À medida que o fim se aproxima, esse combate espiritual torna-se cada vez mais violento e perigoso. A prosperidade que gozamos no Ocidente e a sedução que nos cerca por todos os lados podem turvar nossa visão para esta realidade. Todavia, o Novo Testamento esclarece que os tempos entre a cruz e a volta de Jesus são tempos finais “maus”, que vão piorando continuamente (cf. Hb 1.2; Ef 5.16; Mt 24-25). A respeito da Igreja, Paulo enfatiza em uma de suas cartas que “nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis” (2Tm 3.1), nos quais “os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder” (2Tm 3.2-5).
Note que, entre outras coisas, a falta de amor, a arrogância e a indisposição para reconciliação aumentarão nos últimos dias. Não sei até que ponto já penetramos nos tempos do fim, mas é inegável que hoje estamos mais perto do fim do que há 2.000 anos, e o aumento das características citadas acima em nossos dias deveria ao menos dar o que pensar. Não devemos espantar-nos pelo fato de hoje o cristianismo parecer mais separado do que no início. Os sinais dos últimos dias se infiltram na Igreja e, quanto mais o tempo avança, tanto pior será. É a profecia bíblica que o afirma.
Por isso chega a beirar o milagre que os cristãos mantenham algum tipo de unidade até hoje! A pergunta formulada no título está errada. Considerando as limitações da natureza humana, a infinita diferença da natureza de Deus, o poder demoníaco no mundo invisível e o anúncio bíblico dos tempos finais, seria mais razoável perguntar: por que os cristãos muitas vezes estão unidos? A resposta é: graças ao Espírito Santo.
O Espírito Santo é o Deus subestimado. Alguns Lhe atribuem suas próprias ideias absurdas, outros não esperam nada Dele. No entanto, nosso Deus não é biúno, mas triúno – e esta é a garantia da nossa segurança. Por meio do Espírito Santo, a plenitude de Deus habita em nós (Ef 1.13-14,17; 3.14-19). Ele é o Consolador e Apoio que acalma e sela o nosso coração indisposto, tempestuoso e frágil. É por isso que ainda conseguimos entender a Palavra de Deus (1Co 2.11). E por isso somos mais que os maiores profetas do Antigo Testamento e podemos realizar mais que os milagres de Jesus (Lc 7.28; Jo 14.12). Deus mesmo habita em nós, e já faz 2.000 anos que isto nos capacita a funcionar como povo sem rei visível, como “religião” sem santuário visível e como unidade orgânica sem parentesco de sangue. Pela fé em Jesus Cristo temos condições de ser um com pessoas das quais nos separam milhares de anos, milhares de quilômetros ou milhares de diferenças culturais. Esse milagre é muito maior do que tudo o que aconteceu no Antigo Testamento!
O que nos une não é nem a espada, nem o medo, nem uma nacionalidade, mas o Espírito Santo de Deus. O poder que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos está há 2.000 anos zelando para que os salvos adorem o Pai “em espírito e em verdade”, confessem o nome de Jesus e esperem por Sua volta. Este é o maior milagre que o mundo invisível jamais presenciou (Ef 3.9-10): a ilimitada plenitude de Deus em homens fracos, outrora caídos e ainda agora limitados.
É claro que agora se poderá objetar que tudo isso é muito bonito, mas que, apesar do Espírito Santo, não deixa de ser fato que ainda assim os crentes muitas vezes não têm unidade no Espírito. O que podemos fazer contra isso? No meu entender, só há uma resposta, que, entretanto, se refere apenas a diferenças de opinião (especialmente as teológicas) entre os cristãos. Portanto, não se trata da questão do que fazer quando outros crentes pecam contra nós por seu comportamento, seus atos, suas palavras ou suas omissões. Também não se trata de cristãos que tentam apelar para o Evangelho com o fim de disfarçar ou justificar seus pecados, como por exemplo a imoralidade, a avareza ou similares.
Antes de tudo precisamos reconhecer o seguinte: existe um bom motivo para os cristãos parecerem tão combativos. É sua missão. Paulo enfatiza que os bons líderes devem “silenciar“ falsos mestres e repreender “severamente“ crentes desviados (Tt 1.11,13). Tal como Paulo fez, eles não devem ceder nem “submeter-se nem por um instante” a “falsos irmãos infiltrados” (Gl 2.4-5). Os cristãos, e especialmente os líderes de igreja e pastores, não podem comprometer-se (cf. Tt 2.7). Os crentes precisam lutar pela sã doutrina (2Tm 1.13; Tt 1.9; 2.1). A questão que se impõe aqui é: quem na selva das confissões e denominações cristãs seria o portador da sã doutrina e quem deverá ser combatido? – A Bíblia fornece indicações.
Durante a sua prisão em Roma, Paulo soube que alguns cristãos (ou pseudocristãos) anunciavam o Evangelho com a intenção de prejudicá-lo. Ele se alegrou com isso porque para ele o principal era que Cristo fosse anunciado, “seja por motivos falsos ou verdadeiros” (Fp 1.15-18). Paulo não se importou em repreender aqueles criadores de conflitos. Para ele, esses homens não eram daqueles a quem se deveria “tapar a boca”. Portanto, para Paulo o sinal da sã doutrina não era que alguém pertencesse ao seu “grupo”, mas que a pessoa pregasse a Jesus Cristo. As cartas apostólicas esclarecem que pregar a Cristo é o mesmo que anunciar o Evangelho (cf. Rm 1.9,16; 10.15-16; 15.20; 16.25; 1Co 9.12; 2Co 11.4; Gl 1.6-11; 2.5,14, entre outros). Na última carta do apóstolo Paulo vemos que a pregação do Evangelho está estreitamente ligada à sã doutrina (2Tm 1.8; 2.8; 4.5). Quem reconheceu Jesus, reconheceu o Evangelho; quem reconheceu o Evangelho, reconheceu a sã doutrina – e vice-versa. Sã doutrina é o Evangelho!
Portanto, se na Carta aos Efésios Paulo espera de nós, cristãos, “conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Ef 4.3), isto jamais será possível sem o Evangelho de Jesus Cristo. A seguir, Paulo demonstra por que os cristãos podem e devem ser unidos, porque somos 1) um só corpo, cremos 2) em um só Espírito, temos 3) uma mesma esperança, servimos 4) a um mesmo Senhor, compartilhamos 5) a mesma fé, praticamos 6) um só batismo e temos 7) um só “Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos” (Ef 4.4-6). Pode-se considerar isso um resumo da sã doutrina do Evangelho.
No entanto, o grande desafio está em oferecer um preenchimento concreto a esse envoltório. Uma questão crítica é, por exemplo, o único batismo. Será que com isso Paulo exclui o batismo de bebês ou não? Ou o que se entenderá por uma só esperança? Seria preciso que incluísse o Arrebatamento antes da Tribulação? O princípio que decidirá tudo é o exame pela pergunta: anuncia-se a Cristo?
Vamos deter-nos na controvérsia do batismo infantil. Martinho Lutero defendeu com veemência o batismo infantil e protestou contra os anabatistas. Não teria ele com isso entrado em contradição com o batismo único? Esta questão crítica pode ser uma boa medida do grau em que no nosso relacionamento com outros crentes somos mais determinados por nossos sistemas dogmáticos ou pelo propósito do apóstolo Paulo: o principal é que Cristo seja anunciado!
Em Marcos 16 vemos que o batismo se destina a crentes. Em Atos 16 vemos famílias inteiras sendo batizadas. Poderíamos, por um lado, afirmar com cem por cento de certeza que não havia criancinhas pequenas ali? Por outro lado, poderíamos afirmar com cem por cento de certeza que sequer havia crianças pequenas ali? Passados 2.000 anos, não temos como sabê-lo com certeza. O batismo único pode ser uma ênfase para o fato de que os cristãos devem batizar e ser batizados. Parece, todavia, que no mínimo se poderá discutir se apenas o crente adulto deveria ser batizado ou também todas as crianças de toda a sua casa com ele.
Poderíamos acaso afirmar que Martinho Lutero não tenha proclamado o Senhor Jesus Cristo? Um possível problema no nosso julgamento de outros crentes é que pretendemos uma unidade sobre um fundamento irrealista. Aceitamos apenas aqueles cristãos que concordarem conosco em praticamente todos os detalhes, e com isso transformamos criaturas falíveis no padrão de todas as coisas. O padrão da unidade, porém, é muito mais simples: trata-se do Evangelho de Jesus Cristo. Isto não significa que não devamos questionar equívocos na medida em que possamos avaliá-los, e muito menos tolerarmos pecado. Se simplesmente deixarmos valer todos porque citam o nome “Jesus”, não chegaremos a lugar nenhum. Mas convém examinar muito criteriosamente se realmente será necessário lutar e, se for, tratar de aplicar amor, tolerância e paz. E assim finalmente chegamos à resposta para o modo como podemos preservar a unidade.
A resposta ou palavra-chave chama-se humildade. Às vezes precisamos simplesmente nos retrair e considerar morto o nosso orgulho (Rm 6.11). Não é fácil, mas necessário. Se lermos atentamente a Carta de Tiago, perceberemos que seus destinatários tinham seus problemas com orgulho e arrogância. Todos queriam ensinar os outros e ser mestres da igreja. Então, porém, Tiago pergunta àqueles que tanto queriam ser a medida de todas as coisas: “Quem é sábio e tem entendimento entre vocês? Que o demonstre por seu bom procedimento, mediante obras praticadas com a humildade que provém da sabedoria” (Tg 3.13). Isto representa um ataque ao nosso orgulho: nossa sabedoria e nosso entendimento em questões de doutrina não se depreende da nossa bem detalhada dogmática, mas do nosso trato manso com os outros. Esta é a verdadeira sabedoria.
Se vocês abrigam no coração inveja amarga e ambição egoísta, não se gloriem disso, nem neguem a verdade. Esse tipo de ‘sabedoria’ não vem dos céus, mas é terreno; não é espiritual, mas é demoníaco. Pois onde há inveja e ambição egoísta, aí há confusão e toda espécie de males. Mas a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera. O fruto da justiça semeia-se em paz para os pacificadores” (Tg 3.14-18).
A unidade no Espírito será possível se demonstrarmos a genuína sabedoria do alto, e essa sabedoria não se manifesta em combatividade, em prepotência ou arrogância, mas na disposição de deixar predominar a mansidão, de exercer misericórdia e de buscar a paz.
Bem entendido: estas palavras constam do capítulo no qual Tiago diz que não convém muitos serem mestres, já que todos nós “muitas vezes” tropeçamos no uso da língua. A unidade no Espírito será possível se demonstrarmos a genuína sabedoria do alto, e essa sabedoria não se manifesta em combatividade, em prepotência ou arrogância, mas na disposição de deixar predominar a mansidão, de exercer misericórdia e de buscar a paz. Com isso, a unidade não começa primariamente com o cristão que na nossa opinião defende uma teologia equivocada e que será indispensável corrigir, mas em nós mesmos – em cada um muito pessoalmente.
Bons cristãos e mestres da Bíblia são pacificadores que se alegram quando Jesus Cristo é proclamado. Por isso Paulo diz: “Como prisioneiro no Senhor, rogo-lhes que vivam de maneira digna da vocação que receberam. Sejam completamente humildes e dóceis, e sejam pacientes, suportando uns aos outros com amor. Façam todo o esforço para conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Ef 4.1-3).
O desafio para cada um de nós é não ser orgulhoso, mas humilde; não combativo, mas manso; não teimoso, mas misericordioso. É muito fácil denegrir outros crentes do púlpito, em e-mails, em circulares, em conversas “confidenciais” ou em revistas. A verdadeira grandeza e sabedoria segundo Tiago é algo bem diferente.
Nossa atitude em relação àqueles seguidores de Cristo que talvez não pensam exatamente como nós pode ser similar àquela revelada por Paulo: “Mas que importa? O importante é que de qualquer forma, seja por motivos falsos ou verdadeiros, Cristo está sendo pregado, e por isso me alegro. De fato, continuarei a alegrar-me” (Fp 1.18). (R

SITUAÇÃO DAS IGREJAS NOS DIAS DE HOJE ÚLTIMOS TEMPOS - PRINCÍPIO DAS DORES ​ ​ ​Irmãos, não há como fugir da situação ou fingir que na...